quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Escassez de talentos afeta ocupação de vagas no Brasil, diz pesquisa

Ainda falta qualificação para profissionais, diz Hays Global Skills Index.
País apresentou piora no nível de desenvolvimento do seu mercado.


Candidatos a emprego lotam prédio de faculdade
em Campinas (SP) (Foto: Reprodução/EPTV)
O mercado de trabalho brasileiro ainda enfrenta problemas para preencher vagas de emprego abertas por causa da escassez de talentos, que não possuem a qualificação profissional exigida nas seleções, mostrou a 5ª edição do Hays Global Skills Index, da consultoria Hays, em parceria com a Oxford Economics.

Neste ano, o Brasil apresentou uma piora no nível de desenvolvimento de seu mercado, com nota 5,4, um aumento de 0,4 em relação a 2015. A escala, de 0 a 10, estabelece que quanto maior a nota, mais altas são as dificuldades enfrentadas pelo país.

Entre os fatores que agravaram o índice local estão: aumento do desemprego, pressão dos salários de vagas que requerem altas habilidades em indústrias e os níveis de educação. Para Jonathan Sampson, diretor geral da Hays, as empresas precisam investir na criação de ambientes de trabalho mais eficientes e produtivos para avançar. Por outro lado, a contratação de funcionários com habilidades para atravessar este período enfrenta dificuldades: o indicador brasileiro com maior diferença entre 2016 e 2015 foi a incompatibilidade de talentos, que aumentou de 5,7 para 8,8.

Gerentes de compliance, financistas com inglês fluente, profissionais de compras focados em redução de custos e executivos com experiência em gerenciamento de mudanças são exemplos de posições complexas de preencher no país.

"O Brasil deve trabalhar para corrigir a incompatibilidade de talentos e a flexibilidade do mercado de trabalho para que as empresas consigam se recuperar. Para os profissionais, a dica é agregar valor rapidamente ao perfil profissional, investir em habilidades econômicas e em maturidade emocional", afirma Sampson. Segundo ele, o Brasil poderia se beneficiar de uma transferência de talentos entre o país e o exterior como forma de construir mais conhecimento e melhores práticas.
O ranking, avalia os 33 países em que a Hays atua. A pesquisa aponta também que o déficit de competências piorou em 14% na Europa nos últimos cinco anos (desde quando o estudo é realizado) e que apesar das consequências iminentes do Brexit no Reino Unido, a incerteza em torno da eleição nos EUA e a desaceleração nos mercados emergentes, a economia global está em constante recuperação e tem havido um aumento da procura de mão de obra qualificada em todo o globo, o que aumenta as pressões por salários mais altos.
Metodologia

O Hays Global Skills Index fornece uma pontuação para cada país de entre 0 e 10, que mede as pressões presentes em seu mercado de trabalho. A pontuação é calculada através de uma análise de sete indicadores: flexibilidade do sistema de educação, participação da população economicamente ativa, políticas governamentais, incompatibilidade de talentos e pressão salarial geral, em indústrias e em ocupações que requerem altas habilidades.

Uma pontuação geral de acima de 5,0 indica que o mercado de trabalho está mais "pressionado" do que o normal. Uma pontuação abaixo de 5,0 indica que o mercado está "mais flexível" do que o normal.

Não espere mais para se profissionalizar. Esta é a hora!


(Fonte: G1)

Nenhum comentário:

Postar um comentário