segunda-feira, 11 de julho de 2016

Como encontrar felicidade no trabalho?

Um mosaico formado por experiências diferentes e complementares


Precisamos de trabalho, está certo. Antes de tudo, é uma questão de sustento para sobrevivência e uma oportunidade de galgar espaço na sociedade. Está aí uma oportunidade… A rotina pode variar um pouco, mas no geral inclui acordar, tomar café da manhã, deslocar-se para o trabalho, ralar algumas horas por dia, deslocar-se para casa, jantar.

Fazer a mesma rota, falar com as mesmas pessoas e seguir no modo automático todo santo dia – às vezes, com sorte, uma aula aqui, uma leitura ou ginástica ali. Viver aguardando esses breves momentos de lazer, um fim de semana, uma escapada do trabalho. Será que é só isso? Já que investimos tanto tempo e energia no “ritual” de trabalho diário, não seria melhor tentarmos ser felizes nesse período?

Gosto de pensar que não viemos a este mundo só para pagar contas e partir. Não pode ser. Esse texto é para os que não se conformam com essa possibilidade e acreditam que podem encontrar felicidade no trabalho apesar das frustrações, obstáculos e preocupações.

Ponto importante

Você não precisa encontrar 100% da sua felicidade no trabalho. Ela pode ser um mosaico, formado por experiências diferentes e complementares. Ao distribuir sua expectativa em outros projetos, como uma segunda ocupação, um trabalho voluntário ou um hobby, por exemplo, você alivia o peso do trabalho na sua matriz de felicidade e abre portas para um novo tipo de felicidade composta.

Passamos, no entanto, a maior parte dos dias trabalhando, o que faz com que essa ocupação continue sendo protagonista do mosaico. Por isso, é importante encontrar algum tipo de satisfação e de bem-estar nesse ambiente.

Aliando felicidade e trabalho

  • Conciliar essas duas palavras aparentemente tão distantes fica muito mais fácil se você sabe quem é, no que é bom, do que gosta e o que busca. O oposto também! Investir no autoconhecimento é dar um grande passo em busca dessa aliança;
  • É bom entender suas prioridades: que pontos são inegociáveis para que você encontre felicidade no trabalho e o que é “luxo”, ou dispensável. Por exemplo: eu posso trabalhar em um lugar em que eu não tenha muita autonomia, mas não onde não haja respeito na comunicação com as pessoas;
  • Vale “cavar” seu espaço na empresa, criando oportunidades mesmo em cenários difíceis e de desconforto. Então, se sentir que há espaço, seja proativo e saia da sua zona de conforto para conquistar sua felicidade. Não espere as coisas acontecerem;
  • Ser autêntico pode ser, eventualmente, necessário. Não assuma a realidade como verdade absoluta: questione, quebre paradigmas, construa do zero, busque outra ocupação ou rompa limites no caminho para a sua felicidade. Nunca prejudique a empresa ou outras pessoas;
  • Busque um mentor, uma rede ou alguém com quem possa se abrir. É sempre bom compartilhar, trocar e aprender para rever ou até mesmo alterar seu conceito de felicidade, ou para ter ideias diferentes de como alcançá-la diariamente.


Não é fácil, mas é possível

Aliar felicidade e trabalho não é algo simples. Aliás, trabalhar em um lugar 100% alinhado com as nossas expectativas e valores é algo utópico, mesmo para os que empreendem ou trabalham em empresas inovadoras e disruptivas. A maturidade implica ser flexível, aprender a relativizar o que não for importante e a encontrar a felicidade no balanço entre expectativa e realidade. O ponto de equilíbrio é o que precisa estar no radar.

Jorge Paulo Lehman disse: “Sonhar grande e sonhar pequeno dá o mesmo trabalho”. Então sonhe grande e encontre sua felicidade em cada deixa que tiver, em mais de um lugar ou mesmo em todos os lugares. E se te perguntarem, dá para encontrar felicidade no trabalho sim, mas não precisa ser só nele. Depende mais de você, dos seus projetos e do seu propósito.



(Fonte: Vagas / por Michelle Weiser)