quarta-feira, 6 de julho de 2016

6 segredos dos currículos que são ímãs de recrutadores

Ter um currículo atrativo não é o suficiente, para conseguir uma oportunidade em meio à crise do mercado de trabalho brasileiro. Mas ajuda. O documento funciona como cartão de visita, diz Denise Bojikian - Especialista em Recursos Humanos. Para que um potencial empregador decida chamar você numa entrevista, ele primeiro precisa ser “fisgado” pelo seu currículo.

A importância da peça é tão grande que, mesmo profissionais excelentes, podem passar despercebidos por um recrutador se cometerem erros graves ou até sutis no currículo. É claro que, conseguir um emprego é muito mais fácil se a sua carreira está entre as mais promissoras do momento ou, se a sua área não foi tão abalada pela recessão econômica que atinge o país. Mas ainda assim, o cuidado com o CV pode impulsionar as suas chances independentemente da sua profissão ou setor. 

Confira a seguir 6 características dos currículos que funcionam como “ímãs” de recrutadores na crise.

1. Têm objetivo claro
O mercado vive uma era de especialização crescente: as empresas buscam profissionais com competências cada vez mais específicas, para resolver os seus problemas. O resultado disso é que os currículos precisam se tornar menos genéricos e mais precisos para chamar atenção.

O recrutador tem pouco tempo a perder, então precisa saber rapidamente qual é a área-foco do candidato. Não basta escrever algo vago como “finanças,” por exemplo. Explique o escopo do seu trabalho de forma sucinta, mas completa. Currículos muito generalistas, que parecem serem feitos para ocupar qualquer posição, costumam ser os primeiros descartados.

2. São curtos e limpos
Como precisam analisar muitos CVs em pouco tempo, os recrutadores tendem a preferir documentos mais objetivos e sucintos. É preciso dizer o máximo com o menor número possível de palavras, em até duas páginas.

A mesma economia deve valer para o aspecto visual do currículo. Evite colunas, tabelas e cores excessivas. Prefira um formato limpo, que seja fácil identificar as principais informações sobre você. O design do currículo é mais importante do que parece. Até um detalhe tão sutil quanto a fonte do texto, como a clássica Arial ou a detestada Comic Sans, carrega recados subliminares sobre quem você é.

3. São customizados
Em vez de elaborar um único CV e usá-lo em todos os processos seletivos, é mais estratégico criar várias versões do documento, adaptando o conteúdo de acordo com as exigências de cada contratante. Ajustar o currículo às especificidades da vaga aumenta a pertinência da sua candidatura.

Esse detalhe ajuda a resolver um dos maiores “dramas” dos recrutadores em tempos de crise e escassez de recursos: a impossibilidade de fazer uma contratação malsucedida. Se você evidencia os pontos de encaixe entre você e a empresa, fica mais fácil para o recrutador avaliar se você é adequado ou não para a vaga. As duas partes ganham tempo.

4. Trazem afirmações embasadas
O seu currículo ganhará pontos em atratividade se incluir informações comprovadas sobre aptidões, experiências e resultados.

Tem inglês fluente? Mencione um certificado de proficiência na língua. Alavancou as vendas do setor no seu último emprego? Dê a porcentagem de crescimento que você ajudou a promover. O seu currículo será mais persuasivo à medida que houver dados — de preferência numéricos — para provar o que você diz.

5. Formam uma narrativa coerente
O currículo deve contar uma história com começo, meio e fim. Mudanças bruscas de área, experiências avulsas e desconexas, lacunas sem explicação: todos esses elementos criam dúvidas e afastam recrutadores.

Idealmente, a carreira do candidato deve ser composta por movimentos harmônicos entre si, mas isso não é o bastante. Precisa haver uma simetria entre o histórico daquele profissional e as características da vaga. O recrutador deve enxergar a relação entre o objetivo da pessoa e o que ela desempenhou na carreira até aquele momento.

6. Dão destaque para idiomas
Outro segredo dos currículos que funcionam como “ímãs” de recrutadores são as competências linguísticas do candidato — o que vale para praticamente todas as áreas de atuação. Afinal, cada vez mais empresas precisam de candidatos fluentes em um idioma estrangeiro, em especial o inglês.

Se você realmente tiver essa competência, dê bastante destaque a ela e inclua certificações, se tiver. Mas não vale mentir. Se o seu nível de inglês for intermediário, não diga que ele é avançado. Candidatos que maquiam habilidades no currículo são facilmente desmascarados na etapa da entrevista - isso sem falar no desgaste que a mentira causa à sua reputação perante o mercado.  


(Fonte: Vagas.com)