segunda-feira, 27 de junho de 2016

Eu sei o que você fez no verão passado

A intenção aqui está longe de ser a criação de uma geração de “neuróticos e não-expontâneos”. Teoricamente, as pessoas são livres para falar sobre a vida pessoal no mundo online. Mas dados de fontes diversas apontam para o cuidado que se deve ter com a imagem divulgada nas redes sociais.

E para qualquer pessoa que trabalhe ou esteja buscando um trabalho isso é um ponto de atenção. Com os índices de desemprego em alta e o crescente aumento da concorrência, tudo conta.

Para citar uma das fontes, segundo pesquisa da Jobvite (2014), 55% dos recrutadores admitem reconsiderar candidatos baseados no perfil das redes sociais. Os percentuais podem variar de um estudo para outro, mas o conceito tem permanecido inalterado.Trocando em miúdos e para ser mais específica, resumi os principais pontos de cuidado e melhores práticas para a construção de uma marca pessoal positiva nas redes sociais:

  • Evite postagens do tipo “finalmente, sexta-feira” ou “odeio domingo à noite”. Mesmo que seu chefe não faça parte da sua rede, a postagem pode chegar até ele, porque alguma conexão em comum curtiu ou compartilhou o post.

  • Política, futebol e religião não se discute. Ditado que ultrapassa gerações, mas há casos notórios de demissões ocorridas por conta de manifestação inapropriada sobre o time campeão da temporada.

  • Cuidado com a inconsistência entre a história que conta em uma entrevista ou até mesmo para o seu chefe e a vida que mostra nas redes. Uma pessoa doente, na grande maioria das vezes, não passa o fim de semana na praia bebendo.

  • E por falar em bebida, sim, fotos com fisionomia de embriaguês são comprometedoras. Uma ou outra foto de festa ou celebração não vai comprometer a vida profissional, mas a consistência nesse hábito pode sinalizar negativamente.

  • Por incrível que pareça, atenção a erros ortográficos e gramaticais. Claro, quem não odeia o corretor ortográfico que altera as palavras exatamente no momento em que clicamos enviar? Mas erros esporádicos são diferentes de erros constantes.

  • Palavrões são proibidos. De toda e qualquer forma. Mesmo que esteja muito bravo com o trânsito, o governo, a empresa de telefonia ou por qualquer situação irritante. A impressão que se passa é que a qualquer momento a pessoa sairá pelos corredores da empresa gritando em alto e bom tom palavrão de vários escalões.

  • Muito embora eu quisesse deixar de mencionar, qualquer tipo de comentário desrespeitoso sobre raça e gênero faz parte da lista de proibições.

Pode parecer exagero e excesso de controle. Aliás, é um tanto quanto questionável essa “falta de liberdade de expressão”, mas é fato.  E o melhor a fazer é administrar a realidade a nosso favor.

Toda e qualquer publicação online gera bilhetes vitalícios para a exibição do filme “eu vi o que você fez no verão passado”. 



(Escrito por: Luciane Borges / Fonte: Linked-In)

Nenhum comentário:

Postar um comentário