quinta-feira, 30 de junho de 2016

Uso de redes sociais no trabalho: saiba direitos e deveres do empregado

O caso de uma enfermeira que foi demitida por justa causa após publicar fotos suas no ambiente de trabalho despertou a atenção para os trabalhadores sobre a maneira correta de agir com imagens do ambiente e dúvidas sobre a punição correta para casos deste tipo.
– Relembre: Enfermeira punida por postar fotos na internet diz que foi ingênua

Klaudia Elizabeth da Silva estava em um dia de plantão no hospital que trabalhava, em Pernambuco, quando resolveu tirar fotos em um momento de descontração. Depois, postou as imagens em sua página no Facebook. Ao demitir a funcionária, o hospital alegou que a empresa foi exposta sem autorização e serviu como pano de fundo para brincadeiras desrespeitosas com os pacientes. Klaudia teria feito comentários ofensivos aos seus superiores.

Para esclarecer sobre como agir em situações como esta e prevenir para que não tenha o mesmo final de Klaudia, o SRZD conversou com o autor do livro “O novo aviso prévio”, Gleibe Pretti, que destacou, entre outros pontos, a prática tão comum atualmente de utilizar a rede social no ambiente de trabalho.

Confira abaixo as perguntas respondidas por ele:

Quais os principais cuidados que o funcionário deve ter quanto ao uso da rede social no ambiente de trabalho? 

Cumpre salientar que o empregado e contratado para laborar durante sua jornada de trabalho e consequentemente é pago por esse motivo (trata-se do contrato de trabalho artigo 442 da CLT). Sendo assim, o empregado não pode “gastar” seu tempo de trabalho em redes sociais ou em atividades diversas da que foi contratado.

É permitido/legal tornar pública foto do local de trabalho sem permissão/conhecimento dos superiores?

Em hipótese nenhuma o empregado pode publicar imagens com produtos, serviços ou locais da empresa na internet, haja vista que não se trata de um ambiente que lhe pertence e sim do empregador. Desta forma, o empregado não pode dispor o que não é seu, sob pena de justa causa, conforme artigo 482 da CLT. 

Divulgar imagens do local de trabalho pode resultar em demissão por justa causa? Se não for legal demitir por este motivo e a empresa tomar esta atitude, como o funcionário deve agir?

A dispensa é devida, mas o empregado deve antes ser advertido. Em caso de reincidência, será suspenso. E em caso de repetição do ato, será demitido por justa causa.

O funcionário pode divulgar imagens suas no local de trabalho (sem mostrar muito o ambiente), sem que haja problemas para ele?

Não há meio termo. Divulgou imagens da empresa sem a permissão do empregador nas redes sociais, poderá dar ensejo à justa causa.

Que conselho daria para os trabalhadores quanto ao uso de redes sociais no horário de trabalho?

Apenas o empregado poderá postar assuntos que sejam pertinentes à sua pessoa sem fazer menção da empresa com adjetivos ou fotos do local de trabalho. De preferência fora do expediente de trabalho, pois, se postar qualquer assunto durante seu expediente, poderá ser dispensado por justa causa, já que deixou de trabalhar para ficar nas redes sociais. Sendo assim acesse as redes sociais, mas nada publique na jornada de trabalho.



(Fonte: http://www.rhportal.com.br/)

Uso de redes sociais no trabalho: saiba direitos e deveres do empregado

O caso de uma enfermeira que foi demitida por justa causa após publicar fotos suas no ambiente de trabalho despertou a atenção para os trabalhadores sobre a maneira correta de agir com imagens do ambiente e dúvidas sobre a punição correta para casos deste tipo.
– Relembre: Enfermeira punida por postar fotos na internet diz que foi ingênua

Klaudia Elizabeth da Silva estava em um dia de plantão no hospital que trabalhava, em Pernambuco, quando resolveu tirar fotos em um momento de descontração. Depois, postou as imagens em sua página no Facebook. Ao demitir a funcionária, o hospital alegou que a empresa foi exposta sem autorização e serviu como pano de fundo para brincadeiras desrespeitosas com os pacientes. Klaudia teria feito comentários ofensivos aos seus superiores.

Para esclarecer sobre como agir em situações como esta e prevenir para que não tenha o mesmo final de Klaudia, o SRZD conversou com o autor do livro “O novo aviso prévio”, Gleibe Pretti, que destacou, entre outros pontos, a prática tão comum atualmente de utilizar a rede social no ambiente de trabalho.

Confira abaixo as perguntas respondidas por ele:

Quais os principais cuidados que o funcionário deve ter quanto ao uso da rede social no ambiente de trabalho? 

Cumpre salientar que o empregado e contratado para laborar durante sua jornada de trabalho e consequentemente é pago por esse motivo (trata-se do contrato de trabalho artigo 442 da CLT). Sendo assim, o empregado não pode “gastar” seu tempo de trabalho em redes sociais ou em atividades diversas da que foi contratado.

É permitido/legal tornar pública foto do local de trabalho sem permissão/conhecimento dos superiores?

Em hipótese nenhuma o empregado pode publicar imagens com produtos, serviços ou locais da empresa na internet, haja vista que não se trata de um ambiente que lhe pertence e sim do empregador. Desta forma, o empregado não pode dispor o que não é seu, sob pena de justa causa, conforme artigo 482 da CLT. 

Divulgar imagens do local de trabalho pode resultar em demissão por justa causa? Se não for legal demitir por este motivo e a empresa tomar esta atitude, como o funcionário deve agir?

A dispensa é devida, mas o empregado deve antes ser advertido. Em caso de reincidência, será suspenso. E em caso de repetição do ato, será demitido por justa causa.

O funcionário pode divulgar imagens suas no local de trabalho (sem mostrar muito o ambiente), sem que haja problemas para ele?

Não há meio termo. Divulgou imagens da empresa sem a permissão do empregador nas redes sociais, poderá dar ensejo à justa causa.

Que conselho daria para os trabalhadores quanto ao uso de redes sociais no horário de trabalho?

Apenas o empregado poderá postar assuntos que sejam pertinentes à sua pessoa sem fazer menção da empresa com adjetivos ou fotos do local de trabalho. De preferência fora do expediente de trabalho, pois, se postar qualquer assunto durante seu expediente, poderá ser dispensado por justa causa, já que deixou de trabalhar para ficar nas redes sociais. Sendo assim acesse as redes sociais, mas nada publique na jornada de trabalho.



(Fonte: http://www.rhportal.com.br/)

quarta-feira, 29 de junho de 2016

O Segredo do Sucesso Empresarial

Conheça alguns dos segredos do sucesso de quem alcança altas posições no mundo corporativo Segredos do sucesso


Quem quer atingir altas posições no mundo corporativo está em busca constante de técnicas que possam dar grandes impulsos na sua carreira, e ter uma metodologia eficiente de trabalho e saber inspirar colegas são características de muita importância para quem deseja comandar o seu próprio negócio. Embora cada profissional bem-sucedido tenha, individualmente, qualidades que o diferem no universo empresarial; alguns segredos do sucesso são comuns e de grande peso para quem busca posições de destaque.

Para alcançar níveis de excelência no mercado os empreendedores se utilizam, cada vez mais, dos tais segredos do sucesso, procurando meios de botá-los em prática e, consequentemente, colher os resultados positivos deste conjunto de ações – que tem a maneira de avaliar e interpretar a atuação de colaboradores como um de seus focos principais.

Para ser bem-sucedido no seu negócio, é necessário que o empreendedor, primeiramente, saiba quais são as maiores necessidades do mercado; já que há muitas ideias boas mas, nem sempre, público para elas. Portanto, saber qual é o alvo de sua produção – e ter a certeza da demanda e da necessidade do que se produz – são fatores imprescindíveis para o sucesso.

Avaliar a forma de pensar de seus funcionários (e não somente a sua maneira de exercer funções) é outra ação que acrescenta pontos positivos para a excelência – já que, com isso, é possibilitada a introdução de métodos que possam estimular e influenciar a capacidade de aprendizado de colaboradores, elevando a atuação e a produtividade de equipes como um todo.

Não ter o enriquecimento rápido como principal objetivo também é importante para o sucesso, tendo em vista que os grandes lucros devem ser o resultado de um bom trabalho, e isso só é atingido quando o foco principal de suas ações está, justamente, na realização plena dessas tarefas.

A divulgação do trabalho da empresa também é fundamental, e pequenas apostas devem ser feitas de maneira rápida e constante; possibilitando a análise de resultado por meio de ações direcionadas e objetivas, sem que a companhia perca fundos com investimentos muitos arriscados.

Construir times de funcionários e apostar nas suas principais potencialidades também são palavras-chave para o sucesso de um empreendedor, que pode tirar proveito dos pontos positivos de seus colaboradores para solucionar problemas – transformando situações difíceis em uma forma adicional de aprendizado, e não em uma crise corporativa.


(Fonte: http://blog.convenia.com.br/)

O Segredo do Sucesso Empresarial

Conheça alguns dos segredos do sucesso de quem alcança altas posições no mundo corporativo Segredos do sucesso


Quem quer atingir altas posições no mundo corporativo está em busca constante de técnicas que possam dar grandes impulsos na sua carreira, e ter uma metodologia eficiente de trabalho e saber inspirar colegas são características de muita importância para quem deseja comandar o seu próprio negócio. Embora cada profissional bem-sucedido tenha, individualmente, qualidades que o diferem no universo empresarial; alguns segredos do sucesso são comuns e de grande peso para quem busca posições de destaque.

Para alcançar níveis de excelência no mercado os empreendedores se utilizam, cada vez mais, dos tais segredos do sucesso, procurando meios de botá-los em prática e, consequentemente, colher os resultados positivos deste conjunto de ações – que tem a maneira de avaliar e interpretar a atuação de colaboradores como um de seus focos principais.

Para ser bem-sucedido no seu negócio, é necessário que o empreendedor, primeiramente, saiba quais são as maiores necessidades do mercado; já que há muitas ideias boas mas, nem sempre, público para elas. Portanto, saber qual é o alvo de sua produção – e ter a certeza da demanda e da necessidade do que se produz – são fatores imprescindíveis para o sucesso.

Avaliar a forma de pensar de seus funcionários (e não somente a sua maneira de exercer funções) é outra ação que acrescenta pontos positivos para a excelência – já que, com isso, é possibilitada a introdução de métodos que possam estimular e influenciar a capacidade de aprendizado de colaboradores, elevando a atuação e a produtividade de equipes como um todo.

Não ter o enriquecimento rápido como principal objetivo também é importante para o sucesso, tendo em vista que os grandes lucros devem ser o resultado de um bom trabalho, e isso só é atingido quando o foco principal de suas ações está, justamente, na realização plena dessas tarefas.

A divulgação do trabalho da empresa também é fundamental, e pequenas apostas devem ser feitas de maneira rápida e constante; possibilitando a análise de resultado por meio de ações direcionadas e objetivas, sem que a companhia perca fundos com investimentos muitos arriscados.

Construir times de funcionários e apostar nas suas principais potencialidades também são palavras-chave para o sucesso de um empreendedor, que pode tirar proveito dos pontos positivos de seus colaboradores para solucionar problemas – transformando situações difíceis em uma forma adicional de aprendizado, e não em uma crise corporativa.


(Fonte: http://blog.convenia.com.br/)

Veja o que as empresas valorizam nos funcionários durante a crise


Quem conseguir aguentar momento ruim pode ser recompensado no futuro.
Profissional pode usar momento para mostrar habilidades e se destacar.

Chegar no horário, cumprir a carga de trabalho, entregar as atividades programadas e voltar no dia seguinte pode até ser comum para o profissional, mas não é somente isso que as empresas esperam dos seus empregados.
"A queixa da falta de comportamento adequado para o momento é geral. As pessoas no geral deixam a onda de pessimismo abater sua motivação e não agem. As empresas esperam que seu funcionário faça um esforço extra para que a companhia consiga superar as adversidades e desafios de períodos instáveis e de incertezas", afirma Roberto Picino, direito executivo da Page Personnel. Segundo ele, o funcionário não precisa "dormir" na empresa, mas deve demonstrar mais interesse e comprometimento em ajudar neste momento. "São nessas pessoas que as empresas apostam e buscam apoio. Nada que uma boa conversa para alinhar expectativas tanto por parte dos gestores como dos funcionários. É com esse diálogo que ambos poderão ficar mais sintonizados e buscar soluções em conjunto", diz Picino.

Veja abaixo 6 atitudes que as empresas esperam durante a crise:

1) Negociar melhor salários e benefícios

Em épocas de baixa atividade econômica, as pessoas precisam entender e saber a melhor forma de ajustar expectativa e realidade salarial. "As empresas esperam que os profissionais saibam se valorizar, mas tenham bom senso quanto ao momento e resultados da empresa antes de pleitear salários e benefícios", diz Picino.

2) Esticar o horário de trabalho e flexibilidade com entrada e saída

Fazer aquela hora a mais ou chegar mais cedo para auxiliar com as demandas extras ou novas prioridades é outro tipo de atitude desejada pelas empresas. Segundo Picino, isso demonstra compromisso com a empresa e faz toda a diferença.

3) Promoção pode demorar, mas pode ser compensada no futuro 

A mudança de cargo é um dos mais desejados reconhecimentos que um funcionário espera ao longo da carreira. Com o cenário adverso, esperar por essa oportunidade pode fazer a diferença. "Aqueles que passarem pela fase difícil junto com a empresa terão a chance de serem recompensados pelo esforço e dedicação", afirma.

4) Ter mais senso de engajamento/ espírito de equipe 

Muitos líderes questionam colaboradores que gostam da tradicional "zona de conforto" e cumprem seu papel objetivamente. Segundo Picino, a empresa espera mais proatividade e participação durante a crise. "Engajar não se resume ao feitio das atividades corriqueiras. É ir um pouco mais além, é abraçar a causa e trazer ideias e soluções criativas".

5)  Não criar mais pânico e problemas

Tem muita gente que gosta de alarmar, criar boatos e espalhar o terror. Esse tipo de informação desencontrada, e muitas vezes falsa, só ajuda a aumentar a tensão no ambiente de trabalho. "Funcionário sensacionalista e alarmista só atrapalha a equipe. Cria mal-estar, incerteza e piora a produtividade. Jogar contra é o que menos se precisa nesse momento", conta.

6) Momento de se destacar 

Aquela máxima de que a crise traz oportunidades torna-se mais valiosa nesse momento. "Tem gente com perfil aguerrido, destemido e de busca pelo novo. É hora de se destacar e mostrar o valor. Aquele que conseguir apresentar algo diferente e inovador pode ter um destino diferente na carreira", completa Picino.


(Fonte: G1)

Veja o que as empresas valorizam nos funcionários durante a crise


Quem conseguir aguentar momento ruim pode ser recompensado no futuro.
Profissional pode usar momento para mostrar habilidades e se destacar.

Chegar no horário, cumprir a carga de trabalho, entregar as atividades programadas e voltar no dia seguinte pode até ser comum para o profissional, mas não é somente isso que as empresas esperam dos seus empregados.
"A queixa da falta de comportamento adequado para o momento é geral. As pessoas no geral deixam a onda de pessimismo abater sua motivação e não agem. As empresas esperam que seu funcionário faça um esforço extra para que a companhia consiga superar as adversidades e desafios de períodos instáveis e de incertezas", afirma Roberto Picino, direito executivo da Page Personnel. Segundo ele, o funcionário não precisa "dormir" na empresa, mas deve demonstrar mais interesse e comprometimento em ajudar neste momento. "São nessas pessoas que as empresas apostam e buscam apoio. Nada que uma boa conversa para alinhar expectativas tanto por parte dos gestores como dos funcionários. É com esse diálogo que ambos poderão ficar mais sintonizados e buscar soluções em conjunto", diz Picino.

Veja abaixo 6 atitudes que as empresas esperam durante a crise:

1) Negociar melhor salários e benefícios

Em épocas de baixa atividade econômica, as pessoas precisam entender e saber a melhor forma de ajustar expectativa e realidade salarial. "As empresas esperam que os profissionais saibam se valorizar, mas tenham bom senso quanto ao momento e resultados da empresa antes de pleitear salários e benefícios", diz Picino.

2) Esticar o horário de trabalho e flexibilidade com entrada e saída

Fazer aquela hora a mais ou chegar mais cedo para auxiliar com as demandas extras ou novas prioridades é outro tipo de atitude desejada pelas empresas. Segundo Picino, isso demonstra compromisso com a empresa e faz toda a diferença.

3) Promoção pode demorar, mas pode ser compensada no futuro 

A mudança de cargo é um dos mais desejados reconhecimentos que um funcionário espera ao longo da carreira. Com o cenário adverso, esperar por essa oportunidade pode fazer a diferença. "Aqueles que passarem pela fase difícil junto com a empresa terão a chance de serem recompensados pelo esforço e dedicação", afirma.

4) Ter mais senso de engajamento/ espírito de equipe 

Muitos líderes questionam colaboradores que gostam da tradicional "zona de conforto" e cumprem seu papel objetivamente. Segundo Picino, a empresa espera mais proatividade e participação durante a crise. "Engajar não se resume ao feitio das atividades corriqueiras. É ir um pouco mais além, é abraçar a causa e trazer ideias e soluções criativas".

5)  Não criar mais pânico e problemas

Tem muita gente que gosta de alarmar, criar boatos e espalhar o terror. Esse tipo de informação desencontrada, e muitas vezes falsa, só ajuda a aumentar a tensão no ambiente de trabalho. "Funcionário sensacionalista e alarmista só atrapalha a equipe. Cria mal-estar, incerteza e piora a produtividade. Jogar contra é o que menos se precisa nesse momento", conta.

6) Momento de se destacar 

Aquela máxima de que a crise traz oportunidades torna-se mais valiosa nesse momento. "Tem gente com perfil aguerrido, destemido e de busca pelo novo. É hora de se destacar e mostrar o valor. Aquele que conseguir apresentar algo diferente e inovador pode ter um destino diferente na carreira", completa Picino.


(Fonte: G1)

Criado nos lixões, morador de rua entra na Universidade de Harvard

A vida, bem, na verdade a sobrevivência, sempre foi algo difícil para Justus Uwayesu. Durante o genocídio de 1994 contra os tutsis em Ruanda, Justus perdeu o seu pai e sua mãe. Após isso, todos os dias eram difíceis. Quando tinha 8 anos, ele já tinha vagado mais de 100 quilômetros, terminando no lixão de Kigali, a capital de Ruanda.

Sua casa era um carro incendiado, todo destruído, no qual ele dormia em pedaços de papelão. O carro não tinha janelas, porém oferecia alguma proteção contra a chuva e o sol.

Então, num domingo, Clare Effiong apareceu, uma visitante benfeitora dos E.U.A. Através de um intérprete, Clare iniciou uma conversa com as crianças, perguntando “o que queriam?” E claro, ouvindo as habituais respostas de dinheiro, roupas e etc. Mas quando ela perguntou ao pequeno Justus, ele disse, “Eu quero ir para a escola.” E de todos aqueles que estavam na multidão, Justus foi o que entrou naquele taxi.

Após esse dia a vida de Justus mudou, Clare financiou seus estudos e quando se formou do colegial, ele já falava cinco idiomas. Mas, línguas não eram o foco dele, ele se tornou um brilhante estudante de matemática e química.

Hoje, após 13 anos estudando, Justus faz parte da maior universidade do mundo, a Universidade de Harvard nos E.U.A. E mesmo durante seus estudos, ele ainda trabalha com projetos de caridade e abriu uma escola de culinária para garotas. Em Harvad, ele estudou com bolsa integral, matemática, economia e direitos humanos.






(Fonte: Vicente Carvalho; Razões para acreditar / Imagens: New York Times)

Criado nos lixões, morador de rua entra na Universidade de Harvard

A vida, bem, na verdade a sobrevivência, sempre foi algo difícil para Justus Uwayesu. Durante o genocídio de 1994 contra os tutsis em Ruanda, Justus perdeu o seu pai e sua mãe. Após isso, todos os dias eram difíceis. Quando tinha 8 anos, ele já tinha vagado mais de 100 quilômetros, terminando no lixão de Kigali, a capital de Ruanda.

Sua casa era um carro incendiado, todo destruído, no qual ele dormia em pedaços de papelão. O carro não tinha janelas, porém oferecia alguma proteção contra a chuva e o sol.

Então, num domingo, Clare Effiong apareceu, uma visitante benfeitora dos E.U.A. Através de um intérprete, Clare iniciou uma conversa com as crianças, perguntando “o que queriam?” E claro, ouvindo as habituais respostas de dinheiro, roupas e etc. Mas quando ela perguntou ao pequeno Justus, ele disse, “Eu quero ir para a escola.” E de todos aqueles que estavam na multidão, Justus foi o que entrou naquele taxi.

Após esse dia a vida de Justus mudou, Clare financiou seus estudos e quando se formou do colegial, ele já falava cinco idiomas. Mas, línguas não eram o foco dele, ele se tornou um brilhante estudante de matemática e química.

Hoje, após 13 anos estudando, Justus faz parte da maior universidade do mundo, a Universidade de Harvard nos E.U.A. E mesmo durante seus estudos, ele ainda trabalha com projetos de caridade e abriu uma escola de culinária para garotas. Em Harvad, ele estudou com bolsa integral, matemática, economia e direitos humanos.






(Fonte: Vicente Carvalho; Razões para acreditar / Imagens: New York Times)

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Pai e filha fazem sucesso no Instagram ao exaltar a beleza de seus cabelos – e penteados – afro

Os pais são os principais responsáveis por ajudar qualquer criança a moldar sua personalidade e conquistar sua autoestima. Alguns se saem bem nessa tarefa, mas são raros os que chegam ao nível que chegou o artista Benny Harlem, de Nova York.

Benny se destaca pelo seu estilo e uma cabeleira de dar inveja a qualquer um. Através do Instagram, ele compartilha fotos suas com sua filha Jaxyn de apenas 6 anos, que está seguindo à risca o exemplo e esbanjando criatividade nos penteados.

O destaque fica para o incrível cabelo afro exibido com muito orgulho por pai e filha! Os looks dos dois são seguidos de perto por mais de 120 mil pessoas através da rede social e mostram a inspiradora relação entre Benny e Jaxyn.

Espia só:






Dica: utilizar produtos corretos para seus cabelos é o diferencial de um bom salão de beleza!

(Fonte: Hapyness)

Pai e filha fazem sucesso no Instagram ao exaltar a beleza de seus cabelos – e penteados – afro

Os pais são os principais responsáveis por ajudar qualquer criança a moldar sua personalidade e conquistar sua autoestima. Alguns se saem bem nessa tarefa, mas são raros os que chegam ao nível que chegou o artista Benny Harlem, de Nova York.

Benny se destaca pelo seu estilo e uma cabeleira de dar inveja a qualquer um. Através do Instagram, ele compartilha fotos suas com sua filha Jaxyn de apenas 6 anos, que está seguindo à risca o exemplo e esbanjando criatividade nos penteados.

O destaque fica para o incrível cabelo afro exibido com muito orgulho por pai e filha! Os looks dos dois são seguidos de perto por mais de 120 mil pessoas através da rede social e mostram a inspiradora relação entre Benny e Jaxyn.

Espia só:






Dica: utilizar produtos corretos para seus cabelos é o diferencial de um bom salão de beleza!

(Fonte: Hapyness)

Eu sei o que você fez no verão passado

A intenção aqui está longe de ser a criação de uma geração de “neuróticos e não-expontâneos”. Teoricamente, as pessoas são livres para falar sobre a vida pessoal no mundo online. Mas dados de fontes diversas apontam para o cuidado que se deve ter com a imagem divulgada nas redes sociais.

E para qualquer pessoa que trabalhe ou esteja buscando um trabalho isso é um ponto de atenção. Com os índices de desemprego em alta e o crescente aumento da concorrência, tudo conta.

Para citar uma das fontes, segundo pesquisa da Jobvite (2014), 55% dos recrutadores admitem reconsiderar candidatos baseados no perfil das redes sociais. Os percentuais podem variar de um estudo para outro, mas o conceito tem permanecido inalterado.Trocando em miúdos e para ser mais específica, resumi os principais pontos de cuidado e melhores práticas para a construção de uma marca pessoal positiva nas redes sociais:

  • Evite postagens do tipo “finalmente, sexta-feira” ou “odeio domingo à noite”. Mesmo que seu chefe não faça parte da sua rede, a postagem pode chegar até ele, porque alguma conexão em comum curtiu ou compartilhou o post.

  • Política, futebol e religião não se discute. Ditado que ultrapassa gerações, mas há casos notórios de demissões ocorridas por conta de manifestação inapropriada sobre o time campeão da temporada.

  • Cuidado com a inconsistência entre a história que conta em uma entrevista ou até mesmo para o seu chefe e a vida que mostra nas redes. Uma pessoa doente, na grande maioria das vezes, não passa o fim de semana na praia bebendo.

  • E por falar em bebida, sim, fotos com fisionomia de embriaguês são comprometedoras. Uma ou outra foto de festa ou celebração não vai comprometer a vida profissional, mas a consistência nesse hábito pode sinalizar negativamente.

  • Por incrível que pareça, atenção a erros ortográficos e gramaticais. Claro, quem não odeia o corretor ortográfico que altera as palavras exatamente no momento em que clicamos enviar? Mas erros esporádicos são diferentes de erros constantes.

  • Palavrões são proibidos. De toda e qualquer forma. Mesmo que esteja muito bravo com o trânsito, o governo, a empresa de telefonia ou por qualquer situação irritante. A impressão que se passa é que a qualquer momento a pessoa sairá pelos corredores da empresa gritando em alto e bom tom palavrão de vários escalões.

  • Muito embora eu quisesse deixar de mencionar, qualquer tipo de comentário desrespeitoso sobre raça e gênero faz parte da lista de proibições.

Pode parecer exagero e excesso de controle. Aliás, é um tanto quanto questionável essa “falta de liberdade de expressão”, mas é fato.  E o melhor a fazer é administrar a realidade a nosso favor.

Toda e qualquer publicação online gera bilhetes vitalícios para a exibição do filme “eu vi o que você fez no verão passado”. 



(Escrito por: Luciane Borges / Fonte: Linked-In)

Eu sei o que você fez no verão passado

A intenção aqui está longe de ser a criação de uma geração de “neuróticos e não-expontâneos”. Teoricamente, as pessoas são livres para falar sobre a vida pessoal no mundo online. Mas dados de fontes diversas apontam para o cuidado que se deve ter com a imagem divulgada nas redes sociais.

E para qualquer pessoa que trabalhe ou esteja buscando um trabalho isso é um ponto de atenção. Com os índices de desemprego em alta e o crescente aumento da concorrência, tudo conta.

Para citar uma das fontes, segundo pesquisa da Jobvite (2014), 55% dos recrutadores admitem reconsiderar candidatos baseados no perfil das redes sociais. Os percentuais podem variar de um estudo para outro, mas o conceito tem permanecido inalterado.Trocando em miúdos e para ser mais específica, resumi os principais pontos de cuidado e melhores práticas para a construção de uma marca pessoal positiva nas redes sociais:

  • Evite postagens do tipo “finalmente, sexta-feira” ou “odeio domingo à noite”. Mesmo que seu chefe não faça parte da sua rede, a postagem pode chegar até ele, porque alguma conexão em comum curtiu ou compartilhou o post.

  • Política, futebol e religião não se discute. Ditado que ultrapassa gerações, mas há casos notórios de demissões ocorridas por conta de manifestação inapropriada sobre o time campeão da temporada.

  • Cuidado com a inconsistência entre a história que conta em uma entrevista ou até mesmo para o seu chefe e a vida que mostra nas redes. Uma pessoa doente, na grande maioria das vezes, não passa o fim de semana na praia bebendo.

  • E por falar em bebida, sim, fotos com fisionomia de embriaguês são comprometedoras. Uma ou outra foto de festa ou celebração não vai comprometer a vida profissional, mas a consistência nesse hábito pode sinalizar negativamente.

  • Por incrível que pareça, atenção a erros ortográficos e gramaticais. Claro, quem não odeia o corretor ortográfico que altera as palavras exatamente no momento em que clicamos enviar? Mas erros esporádicos são diferentes de erros constantes.

  • Palavrões são proibidos. De toda e qualquer forma. Mesmo que esteja muito bravo com o trânsito, o governo, a empresa de telefonia ou por qualquer situação irritante. A impressão que se passa é que a qualquer momento a pessoa sairá pelos corredores da empresa gritando em alto e bom tom palavrão de vários escalões.

  • Muito embora eu quisesse deixar de mencionar, qualquer tipo de comentário desrespeitoso sobre raça e gênero faz parte da lista de proibições.

Pode parecer exagero e excesso de controle. Aliás, é um tanto quanto questionável essa “falta de liberdade de expressão”, mas é fato.  E o melhor a fazer é administrar a realidade a nosso favor.

Toda e qualquer publicação online gera bilhetes vitalícios para a exibição do filme “eu vi o que você fez no verão passado”. 



(Escrito por: Luciane Borges / Fonte: Linked-In)

sexta-feira, 24 de junho de 2016

10 dicas infalíveis para ser um cabeleireiro de sucesso

Para ser um cabeleireiro de sucesso,  muitas vezes precisamos nos esforçar e se dedicar para subirmos na profissão. Algumas pessoas já nascem com o dom de conseguir cuidar da beleza de outras pessoas, tendo sensibilidade para entender o que elas querem e conseguir traduzir isso na hora de fazer os cabelos. Atualmente não é tão simples ser um bom cabeleireiro, reconhecido pelos clientes. O mercado atual e extremamente competitivo e só tem espaço para os melhores brilharem.


Por isso, você precisa conhecer as 10 dicas infalíveis para ser um cabeleireiro de sucesso.

O MERCADO ATUAL E EXTREMAMENTE COMPETITIVO E SÓ TEM ESPAÇO PARA OS MELHORES BRILHAREM.

1. Conheça-se 

Quem conhece a si mesmo, tanto as qualidades, quanto os defeitos, sabe usar melhor sua personalidade para conseguir o que quer e atender aos outros. Conheça suas qualidades e as use, valorizando sempre. Domine os seus defeitos, saiba como lidar com eles. Não adianta, antes de ser um excelente profissional, você precisa ser uma excelente pessoa.

2. Aprenda a ser humilde

Muitos profissionais com talento acabam saindo do mercado por acharem que já sabem tudo e, conseqüentemente, cometem erros. Escute os outros, aprenda, estude bastante, pesquise, troque experiências, dedique-se sempre em se atualizar não só sobre sua profissão, mas também sobre o que ocorre no mundo.

3. Trate muito bem as pessoas

Isso obviamente vale para os clientes que devem ser muito bem tratados, respeitados, cortejados. Mas também para outras pessoas que podem ser potenciais clientes. Enfim trate bem clientes e seus acompanhantes ou famílias.

4. Escolha bons cursos para fazer

Não procure apenas pelo diploma ou certificado provando que você completou o curso. Escolha cursos que realmente ofereçam novidades e exija de você. Informe-se sobre como serão as aulas teóricas e práticas, se falarão de lançamentos do mercado de sua área e se existem alunos que fizeram o curso e estão se dando bem no mercado.

5. Pratique:

Pratique muito! Não importa quem seja, trabalhe cabelos sempre que puder pois é assim que você pegará o jeito, terá intimidade para se arriscar, saberá lidar com os mais diferentes casos. Vale chamar os parentes, o vizinhos, sua comunidade, qualquer um. Todo mundo vai gostar de ter um cabeleireiro a disposição mesmo que esteja fazendo o papel de modelo.

6. Seja sério

Não importa a situação, seja sempre muito profissional, respeitando sua profissão de cabeleireiro, tendo postura, agindo com seriedade e compromisso com todos os clientes. Cuidado como se porta, o que diz, quem cita e mesmo ao falar sobre suas opiniões.
Aprenda a ser um psicólogo: não adianta, todo cabeleireiro acaba se transformando em psicólogo.

7. Mas entenda

Seu papel não é analisar o cliente. Apenas ouça. Muitas vezes é isso que as pessoas precisam, de alguém que as ouça. Não fale sobre assuntos polêmicos, não entre em conflito. Tudo o que você disser deve ser dito com otimismo, para levantar o astral do cliente. Seja positivo, transmita energia e o cliente sempre vai querer voltar por sua alegria. Atenção: o sigilo sobre o que o cliente falou é total e absoluto.

8. Seja um empresário 

Não importa se você já tem o seu próprio salão ou está apenas começando na profissão, pense sempre como um empresário. Você é sua empresa e por isso precisa pensar no marketing, na publicidade, na execução, na qualidade, em novos investimentos. Pense em todos os setores, inclusive o financeiro, para administrar você mesmo como profissional.

9. Seja perfeccionista 

Sim, isso fará você melhorar sempre. Observe em que ponto está errando e descubra como se melhorar nisso. Cobre resultados e crescimento de você mesmo e da equipe se for o caso. Sempre determine objetivos e metas, como a prospecção de clientes e cotas de vendas.

9. Seja profissional

Ser profissional é trabalhar com ética, com vontade e sobretudo com excelência. Faça de seu salão um local de excelência, com os melhores resultados. Você conquistará colaboradores e clientes.
Use roupas adequadas, com cores neutras e mais para frias. Evite decotes, peças muito justas e roupas curtas, sinta-se linda e transpire beleza. Fale corretamente. Faça aulas se for preciso. Use um tom de voz agradável e jamais fale palavrão

10. Saiba liderar

Liderar é desenvolver a visão do que é possível realizar e ser capaz de inspirar outros a ajudá-la a realizar estas possibilidades. Mantenha seu salão (ou o salão onde trabalha) sempre arrumado e limpo. Faça um local aconchegante, onde as pessoas desejem estar. Fale sobre seus serviços com propriedade e segurança. Use os trabalhos anteriores como referência para as suas clientes. Atenda parceiros e vendedores em um ambiente onde atendem os clientes, ou reserve um espaço somente para isso. Não atenda o celular enquanto atende seu cliente. Seu cliente precisa saber que aquele momento você está dedicada para ele, afinal ele está pagando por isso. Dê sempre sua atenção total ao cliente que está atendendo. Não tente atender mais clientes do que o salão comporta.

Com toda essas dicas acredito que você tenha em mãos uma boa forma de realizar um ótimo trabalho com seus clientes, deixando-os mais felizes e fidelizados.


(Fonte: cosmeticos.blog.br)

10 dicas infalíveis para ser um cabeleireiro de sucesso

Para ser um cabeleireiro de sucesso,  muitas vezes precisamos nos esforçar e se dedicar para subirmos na profissão. Algumas pessoas já nascem com o dom de conseguir cuidar da beleza de outras pessoas, tendo sensibilidade para entender o que elas querem e conseguir traduzir isso na hora de fazer os cabelos. Atualmente não é tão simples ser um bom cabeleireiro, reconhecido pelos clientes. O mercado atual e extremamente competitivo e só tem espaço para os melhores brilharem.


Por isso, você precisa conhecer as 10 dicas infalíveis para ser um cabeleireiro de sucesso.

O MERCADO ATUAL E EXTREMAMENTE COMPETITIVO E SÓ TEM ESPAÇO PARA OS MELHORES BRILHAREM.

1. Conheça-se 

Quem conhece a si mesmo, tanto as qualidades, quanto os defeitos, sabe usar melhor sua personalidade para conseguir o que quer e atender aos outros. Conheça suas qualidades e as use, valorizando sempre. Domine os seus defeitos, saiba como lidar com eles. Não adianta, antes de ser um excelente profissional, você precisa ser uma excelente pessoa.

2. Aprenda a ser humilde

Muitos profissionais com talento acabam saindo do mercado por acharem que já sabem tudo e, conseqüentemente, cometem erros. Escute os outros, aprenda, estude bastante, pesquise, troque experiências, dedique-se sempre em se atualizar não só sobre sua profissão, mas também sobre o que ocorre no mundo.

3. Trate muito bem as pessoas

Isso obviamente vale para os clientes que devem ser muito bem tratados, respeitados, cortejados. Mas também para outras pessoas que podem ser potenciais clientes. Enfim trate bem clientes e seus acompanhantes ou famílias.

4. Escolha bons cursos para fazer

Não procure apenas pelo diploma ou certificado provando que você completou o curso. Escolha cursos que realmente ofereçam novidades e exija de você. Informe-se sobre como serão as aulas teóricas e práticas, se falarão de lançamentos do mercado de sua área e se existem alunos que fizeram o curso e estão se dando bem no mercado.

5. Pratique:

Pratique muito! Não importa quem seja, trabalhe cabelos sempre que puder pois é assim que você pegará o jeito, terá intimidade para se arriscar, saberá lidar com os mais diferentes casos. Vale chamar os parentes, o vizinhos, sua comunidade, qualquer um. Todo mundo vai gostar de ter um cabeleireiro a disposição mesmo que esteja fazendo o papel de modelo.

6. Seja sério

Não importa a situação, seja sempre muito profissional, respeitando sua profissão de cabeleireiro, tendo postura, agindo com seriedade e compromisso com todos os clientes. Cuidado como se porta, o que diz, quem cita e mesmo ao falar sobre suas opiniões.
Aprenda a ser um psicólogo: não adianta, todo cabeleireiro acaba se transformando em psicólogo.

7. Mas entenda

Seu papel não é analisar o cliente. Apenas ouça. Muitas vezes é isso que as pessoas precisam, de alguém que as ouça. Não fale sobre assuntos polêmicos, não entre em conflito. Tudo o que você disser deve ser dito com otimismo, para levantar o astral do cliente. Seja positivo, transmita energia e o cliente sempre vai querer voltar por sua alegria. Atenção: o sigilo sobre o que o cliente falou é total e absoluto.

8. Seja um empresário 

Não importa se você já tem o seu próprio salão ou está apenas começando na profissão, pense sempre como um empresário. Você é sua empresa e por isso precisa pensar no marketing, na publicidade, na execução, na qualidade, em novos investimentos. Pense em todos os setores, inclusive o financeiro, para administrar você mesmo como profissional.

9. Seja perfeccionista 

Sim, isso fará você melhorar sempre. Observe em que ponto está errando e descubra como se melhorar nisso. Cobre resultados e crescimento de você mesmo e da equipe se for o caso. Sempre determine objetivos e metas, como a prospecção de clientes e cotas de vendas.

9. Seja profissional

Ser profissional é trabalhar com ética, com vontade e sobretudo com excelência. Faça de seu salão um local de excelência, com os melhores resultados. Você conquistará colaboradores e clientes.
Use roupas adequadas, com cores neutras e mais para frias. Evite decotes, peças muito justas e roupas curtas, sinta-se linda e transpire beleza. Fale corretamente. Faça aulas se for preciso. Use um tom de voz agradável e jamais fale palavrão

10. Saiba liderar

Liderar é desenvolver a visão do que é possível realizar e ser capaz de inspirar outros a ajudá-la a realizar estas possibilidades. Mantenha seu salão (ou o salão onde trabalha) sempre arrumado e limpo. Faça um local aconchegante, onde as pessoas desejem estar. Fale sobre seus serviços com propriedade e segurança. Use os trabalhos anteriores como referência para as suas clientes. Atenda parceiros e vendedores em um ambiente onde atendem os clientes, ou reserve um espaço somente para isso. Não atenda o celular enquanto atende seu cliente. Seu cliente precisa saber que aquele momento você está dedicada para ele, afinal ele está pagando por isso. Dê sempre sua atenção total ao cliente que está atendendo. Não tente atender mais clientes do que o salão comporta.

Com toda essas dicas acredito que você tenha em mãos uma boa forma de realizar um ótimo trabalho com seus clientes, deixando-os mais felizes e fidelizados.


(Fonte: cosmeticos.blog.br)

Cinco formas de chamar atenção do cliente com autenticidade

Há muitas décadas, as campanhas de marketing individuais eram a grande sacada.


No entanto, desde o surgimento da Internet e, em especial, a popularidade das redes sociais, o comportamento do cliente mudou drasticamente. As redes sociais não apenas se tornaram uma ferramenta essencial para qualquer estratégia de marketing (quase metade dos usuários do Facebook já "recomendaram" uma marca), os clientes hoje também esperam que sua relação com as marcas vá além do valor de uso dos produtos.

Para Mohan Sawhney, professor residente de marketing e Diretor de Tecnologia da Fundação McCormick na Kellogg School, isso significa que é hora de os líderes de marketing aceitarem e começarem a usar uma abordagem diferente. Em vez do modelo tradicional "forçado" das campanhas de marketing, o marketing de envolvimento atrai as pessoas ao contar histórias, promover discussões e abordar as necessidades e interesses do cliente. O objetivo é envolver os clientes em um relacionamento mais profundo, mais sustentado com um determinado produto ou marca.

"Se você só fala com os clientes sobre o que quer vender, eles têm a opção de nem ouvir", diz Sawhney. "O lema para o marketing de envolvimento é 'Não pergunte como vender, mas sim como pode ajudar'".

Seguem cinco dicas importantes para as empresas que desejam obter êxito com marketing de envolvimento:

1. Ofereça valor real aos clientes.

"O marketing de envolvimento significa liderar com conteúdo, não produtos", diz Sawhney. Este conteúdo deve ser verdadeiramente útil para os clientes.

"É publicidade como um serviço, ao invés de publicidade como interrupção", diz Sawhney. "Fundamentalmente, você está oferecendo aos clientes valor em troca da atenção deles".

A provedora de soluções de automação de marketing Marketo oferece um conjunto abrangente de "Orientações Definitivas" para ajudar os marqueteiros a dominar tópicos como marketing digital, marketing por e-mail, marketing social e métricas de marketing.

Em vez de vender suas plataformas, a Marketo procura aconselhar e informar os clientes e, assim, conquistar o direito de falar a respeito de seus produtos.

O ConnectLIVE, um aplicativo criado pela Valspar Paint, oferece consultas de pintura individuais virtuais com um consultor de cores profissional que cria um esquema de cores personalizado adaptado ao espaço de cada participante.


2. Forme uma comunidade.

"Uma parte fundamental do marketing de envolvimento é dar aos clientes oportunidade para um diálogo, não só com a sua marca, mas também um com o outro", diz Sawhney. Pode começar a conversa pedindo opiniões e percepções, refletindo sobre tendências interessantes e reunindo os clientes em comunidades de compartilhamento social on-line.

A Nike tradicionalmente contou com publicidade na mídia para promover o seu conceito "mostrar o atleta que existe em você". Recentemente, a empresa mudou para um atendimento personalizado. Em vez de colocar todos os seus recursos em uma única campanha publicitária para tênis, a Nike agora anuncia por meio de conselhos aos clientes sobre treinos, ajudando-os a criar comunidades on-line sobre o tema da atividade física. Faz parte desta nova abordagem o Nike+, um site destinado a tornar mais fácil o acompanhamento da sua evolução física.

A American Express emprega uma abordagem semelhante para a criação de comunidades. Em 2007 a empresa criou o "OPEN Forum”, uma comunidade on-line para auxiliar os empresários a promover o crescimento dos seus negócios, oferecendo ideias, recursos e oportunidades de networking. Ao organizar esta plataforma para uma comunidade de empresários em crescimento, a empresa coloca-se na vanguarda do marketing nas redes sociais, com milhares de empresas participantes e muitas outras que seguem o fórum no Twitter, além de dar um impulso significativo à marca.

O OPEN Forum é agora a principal fonte de prospectos para novos membros de cartões de visitas para a American Express.

"Quando os clientes se envolvem com você nas redes sociais, é possível alavancar sua fidelidade à marca", diz Sawhney. "Muitos deles serão os evangelizadores que irão ajudar na divulgação".

3. Inspire as pessoas.

"As pessoas valorizam informação úteis e a conveniência", diz Sawhney, "mas elas também querem receber inspiração!". Uma maneira de inspirar os clientes é compartilhar a visão da sua marca. A empresa de vidros Corning divulgou um vídeo chamado "Um dia feito de vidro", que mostra as possibilidades inspiradoras de um dia, no futuro próximo, quando o vidro de alta tecnologia que ela produz estiver nas casas e escritórios dos clientes todos os dias.

"Você tenta pintar uma imagem do futuro que é inspiradora e mostra que você desempenha um papel importante nesse futuro", diz Sawhney. Isto é bastante relevante para as empresas que estão tentando desenvolver a tecnologia da próxima geração. Outra maneira de inspirar é transformar a sua marca em um agente de impacto social. Em 2013, a Chipotle lançou o "The Scarecrow" (o espantalho), um filme de animação altamente crítico da agricultura industrializada. Assim ela desencadeou um debate sobre a integridade dos alimentos. A Starbucks lançou vídeos semelhantes que promovem o comércio justo do café.

Poucas iniciativas de marketing têm mais sucesso do que a da Toms, empresa de comércio eletrônico que promete dar um par de sapatos a uma criança necessitada em algum lugar do mundo se você comprar um par dos sapatos que vende.

4. Forneça valor de entretenimento.

Além de ser inspirados, os clientes gostam de ser entretidos, o que é uma enorme oportunidade para o marketing de envolvimento. Tomemos o exemplo do "Where's My Wallet" (onde está minha carteira), um jogo on-line interativo do Commonwealth Bank usado como uma forma de promover sua nova tecnologia Cardless Cash (dinheiro sem cartão) na Austrália. O jogo, disponível para qualquer pessoa, conta com um mapa panorâmico de Sydney. O objetivo é encontrar uma das 100 "carteiras perdidas" escondidas pela cidade, cada uma delas com um prêmio de $200. Os vencedores tinham que ir até um caixa eletrônico do Commonwealth para reivindicar o prêmio usando o produto Cardless Cash. Durante os primeiros dez dias do jogo, o "Where's My Wallet" recebeu 43.000 visitantes individuais que passaram em média 12 minutos no site.

O Marriot International também aproveitou o entusiasmo pelos jogos em redes sociais com o lançamento do "My Marriot Hotel" (meu hotel Marriot), um jogo do Facebook que convida os participantes a gerenciarem seu próprio hotel virtual.

Para o Marriot, esta é uma ferramenta de marketing e uma estratégia de recursos humanos: além de gerar interesse pela marca Marriot, o jogo destina-se a tornar os cargos de carreira em hotel mais atraentes, especialmente em países onde esses empregos são considerados servis.

5. Deixe a conversa rolar.

Parte do que significa ter uma abordagem de marketing "sempre ativa" é você estar em constante diálogo com os clientes. Porém, é necessário haver inovação frequente para alcançar essa feita. Significa, também, permanecer relevante e sensível às questões que possam surgir por parte dos clientes.

Empresas altamente reativas são rápidas em perceber os problemas de atendimento na fonte, por meio do tato nas comunicações, dissuadindo os erros de relações públicas que podem rapidamente viralizar a partir de clientes bem relacionados. Se o marketing funciona melhor quando os clientes sentem que têm um relacionamento genuíno com uma marca, um que seja interessante, mutuamente benéfico e estável, essa relação precisa ser cultivada.

"O objetivo final do envolvimento é a criação de uma ligação emocional com a marca", diz Sawhney."Este é um processo que leva à intimidade e defesa da marca. Não é uma única transação, mas uma conversa contínua. Não se pode esperar que os clientes aparecessem somente quando você tem um produto para lançar. É necessário ter uma presença constante".



(Publicado originalmente no Kellogg Insight.)

Cinco formas de chamar atenção do cliente com autenticidade

Há muitas décadas, as campanhas de marketing individuais eram a grande sacada.


No entanto, desde o surgimento da Internet e, em especial, a popularidade das redes sociais, o comportamento do cliente mudou drasticamente. As redes sociais não apenas se tornaram uma ferramenta essencial para qualquer estratégia de marketing (quase metade dos usuários do Facebook já "recomendaram" uma marca), os clientes hoje também esperam que sua relação com as marcas vá além do valor de uso dos produtos.

Para Mohan Sawhney, professor residente de marketing e Diretor de Tecnologia da Fundação McCormick na Kellogg School, isso significa que é hora de os líderes de marketing aceitarem e começarem a usar uma abordagem diferente. Em vez do modelo tradicional "forçado" das campanhas de marketing, o marketing de envolvimento atrai as pessoas ao contar histórias, promover discussões e abordar as necessidades e interesses do cliente. O objetivo é envolver os clientes em um relacionamento mais profundo, mais sustentado com um determinado produto ou marca.

"Se você só fala com os clientes sobre o que quer vender, eles têm a opção de nem ouvir", diz Sawhney. "O lema para o marketing de envolvimento é 'Não pergunte como vender, mas sim como pode ajudar'".

Seguem cinco dicas importantes para as empresas que desejam obter êxito com marketing de envolvimento:

1. Ofereça valor real aos clientes.

"O marketing de envolvimento significa liderar com conteúdo, não produtos", diz Sawhney. Este conteúdo deve ser verdadeiramente útil para os clientes.

"É publicidade como um serviço, ao invés de publicidade como interrupção", diz Sawhney. "Fundamentalmente, você está oferecendo aos clientes valor em troca da atenção deles".

A provedora de soluções de automação de marketing Marketo oferece um conjunto abrangente de "Orientações Definitivas" para ajudar os marqueteiros a dominar tópicos como marketing digital, marketing por e-mail, marketing social e métricas de marketing.

Em vez de vender suas plataformas, a Marketo procura aconselhar e informar os clientes e, assim, conquistar o direito de falar a respeito de seus produtos.

O ConnectLIVE, um aplicativo criado pela Valspar Paint, oferece consultas de pintura individuais virtuais com um consultor de cores profissional que cria um esquema de cores personalizado adaptado ao espaço de cada participante.


2. Forme uma comunidade.

"Uma parte fundamental do marketing de envolvimento é dar aos clientes oportunidade para um diálogo, não só com a sua marca, mas também um com o outro", diz Sawhney. Pode começar a conversa pedindo opiniões e percepções, refletindo sobre tendências interessantes e reunindo os clientes em comunidades de compartilhamento social on-line.

A Nike tradicionalmente contou com publicidade na mídia para promover o seu conceito "mostrar o atleta que existe em você". Recentemente, a empresa mudou para um atendimento personalizado. Em vez de colocar todos os seus recursos em uma única campanha publicitária para tênis, a Nike agora anuncia por meio de conselhos aos clientes sobre treinos, ajudando-os a criar comunidades on-line sobre o tema da atividade física. Faz parte desta nova abordagem o Nike+, um site destinado a tornar mais fácil o acompanhamento da sua evolução física.

A American Express emprega uma abordagem semelhante para a criação de comunidades. Em 2007 a empresa criou o "OPEN Forum”, uma comunidade on-line para auxiliar os empresários a promover o crescimento dos seus negócios, oferecendo ideias, recursos e oportunidades de networking. Ao organizar esta plataforma para uma comunidade de empresários em crescimento, a empresa coloca-se na vanguarda do marketing nas redes sociais, com milhares de empresas participantes e muitas outras que seguem o fórum no Twitter, além de dar um impulso significativo à marca.

O OPEN Forum é agora a principal fonte de prospectos para novos membros de cartões de visitas para a American Express.

"Quando os clientes se envolvem com você nas redes sociais, é possível alavancar sua fidelidade à marca", diz Sawhney. "Muitos deles serão os evangelizadores que irão ajudar na divulgação".

3. Inspire as pessoas.

"As pessoas valorizam informação úteis e a conveniência", diz Sawhney, "mas elas também querem receber inspiração!". Uma maneira de inspirar os clientes é compartilhar a visão da sua marca. A empresa de vidros Corning divulgou um vídeo chamado "Um dia feito de vidro", que mostra as possibilidades inspiradoras de um dia, no futuro próximo, quando o vidro de alta tecnologia que ela produz estiver nas casas e escritórios dos clientes todos os dias.

"Você tenta pintar uma imagem do futuro que é inspiradora e mostra que você desempenha um papel importante nesse futuro", diz Sawhney. Isto é bastante relevante para as empresas que estão tentando desenvolver a tecnologia da próxima geração. Outra maneira de inspirar é transformar a sua marca em um agente de impacto social. Em 2013, a Chipotle lançou o "The Scarecrow" (o espantalho), um filme de animação altamente crítico da agricultura industrializada. Assim ela desencadeou um debate sobre a integridade dos alimentos. A Starbucks lançou vídeos semelhantes que promovem o comércio justo do café.

Poucas iniciativas de marketing têm mais sucesso do que a da Toms, empresa de comércio eletrônico que promete dar um par de sapatos a uma criança necessitada em algum lugar do mundo se você comprar um par dos sapatos que vende.

4. Forneça valor de entretenimento.

Além de ser inspirados, os clientes gostam de ser entretidos, o que é uma enorme oportunidade para o marketing de envolvimento. Tomemos o exemplo do "Where's My Wallet" (onde está minha carteira), um jogo on-line interativo do Commonwealth Bank usado como uma forma de promover sua nova tecnologia Cardless Cash (dinheiro sem cartão) na Austrália. O jogo, disponível para qualquer pessoa, conta com um mapa panorâmico de Sydney. O objetivo é encontrar uma das 100 "carteiras perdidas" escondidas pela cidade, cada uma delas com um prêmio de $200. Os vencedores tinham que ir até um caixa eletrônico do Commonwealth para reivindicar o prêmio usando o produto Cardless Cash. Durante os primeiros dez dias do jogo, o "Where's My Wallet" recebeu 43.000 visitantes individuais que passaram em média 12 minutos no site.

O Marriot International também aproveitou o entusiasmo pelos jogos em redes sociais com o lançamento do "My Marriot Hotel" (meu hotel Marriot), um jogo do Facebook que convida os participantes a gerenciarem seu próprio hotel virtual.

Para o Marriot, esta é uma ferramenta de marketing e uma estratégia de recursos humanos: além de gerar interesse pela marca Marriot, o jogo destina-se a tornar os cargos de carreira em hotel mais atraentes, especialmente em países onde esses empregos são considerados servis.

5. Deixe a conversa rolar.

Parte do que significa ter uma abordagem de marketing "sempre ativa" é você estar em constante diálogo com os clientes. Porém, é necessário haver inovação frequente para alcançar essa feita. Significa, também, permanecer relevante e sensível às questões que possam surgir por parte dos clientes.

Empresas altamente reativas são rápidas em perceber os problemas de atendimento na fonte, por meio do tato nas comunicações, dissuadindo os erros de relações públicas que podem rapidamente viralizar a partir de clientes bem relacionados. Se o marketing funciona melhor quando os clientes sentem que têm um relacionamento genuíno com uma marca, um que seja interessante, mutuamente benéfico e estável, essa relação precisa ser cultivada.

"O objetivo final do envolvimento é a criação de uma ligação emocional com a marca", diz Sawhney."Este é um processo que leva à intimidade e defesa da marca. Não é uma única transação, mas uma conversa contínua. Não se pode esperar que os clientes aparecessem somente quando você tem um produto para lançar. É necessário ter uma presença constante".



(Publicado originalmente no Kellogg Insight.)

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Conheça as 12 piores profissões do mundo

Não fique achando que você tem o pior emprego do mundo, não mesmo. A não ser que você seja “coletor do esgoto de banheiros portáveis”, “coletor de esperma”, “cheirador de corpos”, “provador de gases”. Aí, sim, provavelmente você terá muitas razões para dizer que tem um dos piores empregos do mundo. O site fez uma seleção dos piores empregos do mundo que incluem essas profissões. São 12 no total. Confira:

Coletor de esgoto de banheiros portáteis (aqueles colocados em eventos abertos)



O profissional da área liga uma mangueira a um caminhão coletor de resíduos que despejará o conteúdo num local de drenagem apropriado. Imagine o cheiro com que você volta pra casa no final do expediente. Angustiante.

Cobaias para mosquito




Inusitada e perigosa, é a profissão que te põe em contato direto com o mosquito transmissor da Malária. O mosquito adora a carne humana, mais do que a de qualquer outro animal. Em nome da ciência, os cientistas usam cobaias humanas para fazer experimentos.

Contador de peixes




Se você não é dos mais pacientes, vai procurar outra coisa para fazer. O contador de peixes geralmente senta na borda de um rio com um contador eletrônico para observar os salmões que passam nadando por ele durante 8 horas por dia. Cada vez que ele vê um peixe passar, ele deve apertar o botão do contador para registrá-lo. A atividade acontece entre os meses de abril e outubro, de segunda à segunda.

Desentupidor de esgoto



Um clássico dos piores empregos do mundo. Com certeza você já se deparou com algum desses profissionais na rua de casa. Eles entram nos encanamentos subterrâneos para desobstruí-los. O cheiro é um horror e a exposição à fauna do lugar (ratos e outros insetos) é altamente nociva.


Cheirador de corpos



Os desodorantes e outros produtos que você utiliza são testados por esses profissionais antes de chegar às prateleiras dos supermercados. Esses profissionais fazem experimentos olfativos para comprovar a eficácia dos desodorantes.

Provador de gases



Essa profissão começou com um médico gastroenterologista americano, de Minneapolis. Na época, ele fez uma série de experimentos para identificar doenças estomacais graves. Para isso, ele pediu a alguns voluntários que comecem feijões durante dias. Os gases liberados pelos voluntários foram capturados e armazenados em tubos de ensaios para que fossem analisados posteriormente. Através de provas químicas, o médico conseguiria determinar os seus efeitos com a ajuda de uma equipe de profissionais especializados em provar gases.

Guarda do palácio de Buckingham



A profissão tem o seu charme real, mas é pra lá de desgastante. Os guardas passam horas em pé e não podem sequer sorrir. Suas obrigações incluem estar vestidos impecavelmente (roupa bem passada e sapatos bem polidos).

Limpador de goma de mascar



Jogamos goma de mascar no chão com a maior facilidade. Fazemos isso inconscientemente, sem pensar que tem um profissional especial para fazer o trabalho de limpá-las com uma espécie de espátula.

Analista de excremento



Tapem o nariz, porque só sendo mesmo um analista de excremento para realizar testes de saúde. A empresa Techlab realiza esse trabalho. Os 19 colaboradores tomam um kit, um pouco de excremento humano e, depois, analisam a qualidade dos seus produtos.

Ator de casa mal-assombrada



São profissionais expert em dar sustos nas casas mal-assombradas dos parques de diversões. A maquiagem usada por eles resseca, e muito, a pele. Fora os figurinos, que devem incomodar um bocado, e a gritaria dos visitantes no pé do ouvido.

Apanhador de animais mortos



Infelizmente, uma coisa que não falta na beira das estradas do mundo afora são corpos de animais mortos vítimas de atropelamento. O trabalho desses profissionais é inspecionar as principais rodovias onde acontecem esse tipo de acidente e recolher a carcaça animal.



(Fonte: http://inquietaria.99jobs.com/)