quinta-feira, 23 de novembro de 2017

5 dicas de carreira que eu gostaria de ter recebido na faculdade


Dicas para universitários e recém formados sobre carreira 
Você já deve ter sentido na pele a angústia de escolher um curso na faculdade. Muitas vezes essa é a primeira grande decisão que você toma quando jovem. Em seguida, vem o foco nos estudos e, muitas vezes, só quando você está prestes a se formar é que se dá conta que você precisa pensar na sua carreira. Mas será que você não deveria começar a pensar na sua carreira já no início da faculdade? Aqui vão 5 dicas de carreira que teria sido muito bom ter recebido logo no início da faculdade.



Imagem relacionada1) A escolha da faculdade é completamente diferente da escolha da carreira

Parece óbvio, mas muita gente confunde. A escolha da faculdade não significa diretamente a escolha de uma carreira. Um jovem pode estudar engenharia e optar por uma carreira na área de planejamento de uma organização, pode se tornar empreendedor prestando um serviço de consultoria, ou pode optar por uma carreira no setor público. Isso vale para qualquer faculdade, até mesmo as mais especializadas como psicologia e medicina. O leque de carreiras é infinito. A faculdade é apenas o primeiro passo da sua jornada de capacitação.

2) O mundo não é feito de “caixinhas”, é feito de problemas

Quando você escolhe uma faculdade, você tende a enxergar o mundo nas "caixinhas". Tem a "caixa" do Direito, a "caixa" da Engenharia, a "caixa" da Geografia e assim por diante. Entretanto, o mundo real não é feito de "caixas". Nós que as criamos para facilitar a especialização dos nossos estudos. O mundo é feito de problemas que precisamos resolver e, sem dúvida, precisamos de ferramentas de várias dessas “caixas” para conseguir resolvê-los. O que você aprende na faculdade é apenas uma dessas ferramentas. Portanto, pense em um plano de desenvolvimento pessoal que vá além da faculdade e que não termine no dia da sua formatura.

3) Equilibre o tempo gasto com estudos com o desenvolvimento da sua carreira

Na faculdade você pode passar anos dedicados aos estudos, às provas, aos trabalhos e nunca parar para pensar e se dedicar de fato na sua carreira. São 4 ou às vezes 5 anos que você tem para pesquisar, conversar e principalmente experimentar diversas opções de carreiras, mas que muitas vezes você não prioriza o seu tempo para isso. O mais importante nesta fase é experimentar. Não há leituras e pensamentos que substituam a vivência do mundo real. Então busque estágios, projetos voluntários, projetos na própria faculdade, participar em empresa júnior, tudo que possa te dar um gostinho de como seria uma determinada carreira. A cada experiência você terá informações para descobrir mais sobre o que você gosta e o que não gosta e assim ir construindo a sua carreira.

4) Na escolha de carreira, conhecer o dia a dia do profissional é o que realmente importa

Quando você pensa em qual carreira seguir, muitas vezes o que está em discussão é a posição que você quer ocupar em uma determinada empresa, o concurso que você quer passar, ou mesmo a empresa que você quer abrir. Mas será que você parou para se perguntar como é o dia a dia desses profissionais? O que eles fazem durante o seu dia, quais os desafios que eles têm, o que eles precisam saber e que competências precisam ter para fazerem seus trabalhos bem feitos. Pesquise e converse com esses profissionais para entender melhor o que realmente fazem no dia a dia. Você pode se surpreender.

5) Competências comportamentais são tão ou mais relevantes quanto às competências técnicas para se obter sucesso profissional

O mercado exige hoje muito além das competências técnicas para se obter sucesso profissional. De nada adianta o conhecimento técnico, se o profissional não souber utilizá-lo, por exemplo, para tomar decisões, comunicar-se de forma eficaz, criar e inovar, executar e liderar projetos. Todas essas habilidades são conhecidas como competências comportamentais e os jovens precisam cada vez mais desenvolvê-las para obter sucesso profissional. A boa notícia é que com treinamentos, projetos e trabalhos voluntários o jovem pode aperfeiçoar-se nessas competências. 

Portanto, se você estiver começando ou mesmo já cursando uma faculdade, aproveite essas dicas para avançar na sua carreira!



(Fonte: Administradores)

Evite o erro que quase todo jovem comete no início da carreira

Desnorteado com tantas opções de carreira, o jovem está sujeito a cometer um erro que pode comprometer seu futuro profissional. Entenda

Executivo frustrado
Na hora entrevista, candidatos a estágio e trainee justificam as mudanças constantes de emprego com frases como “já tinha aprendido tudo que podia” ou “saí porque queria algo novo”.

Consultorias de recrutamento estão acostumadas a um certo padrão nos currículos dos jovens: passagem de 3 meses em uma empresa, 9 meses em outra, 6 em uma terceira e assim por diante.

Trajetórias entrecortadas são resultado de um erro que cada vez mais gente comete no início da carreira: buscar satisfação imediata logo na primeira experiência profissional — e, uma vez contrariada essa expectativa, abandonar tudo e partir para a próxima.

“O que não é rápido não serve para o jovem”, diz Tiago Mavichian, diretor da Companhia de Estágios. “Como a tecnologia está sempre na palma da mão, ele se acostumou a ter informações imediatas, a ter respostas imediatas, o que acaba se estendendo para como enxerga a carreira”.

A facilidade de mudar de ideia e experimentar outras alternativas também estimula esse movimento frenético em busca de um ideal irrealizável de trabalho. Segundo Mavichian, é comum que o jovem não saiba justificar suas alternâncias de emprego com um argumento objetivo, como salário ou localização da empresa: em geral, a razão é bastante vaga.

Mas o que está por trás dessa inquietação quase inexplicável, além dos óbvios efeitos da parafernália tecnológica? Na visão de Eduardo Ferraz, consultor em gestão de pessoas, a ansiedade do jovem também pode ser entendida como resultado da proliferação das profissões.

“Trinta anos atrás, você podia ser médico, engenheiro, advogado, professor, contador, no máximo você tinha uma dezena de opções de carreira”, explica. “Hoje, existem centenas de cursos universitários, e mais outras centenas de possibilidades de atuação para cada formação”.

No passado, quando não havia tantas alternativas, mesmo o jovem mais ambicioso ou impaciente era obrigado a esperar — nem que fossem 5 anos — para começar a se envolver em projetos realmente estimulantes.

Agora, continua Ferraz, o mercado acena com um leque de opções tão vasto que o jovem sente que pode estar “perdendo seu tempo” com a escolha que fez, e acaba ficando inclinado a trocar de emprego de forma irrefletida.

Consequências

Quem espera prazer imediato no começo na carreira acaba por não concluir nenhum ciclo de aprendizado. “É um padrão que forma profissionais incompletos, com conhecimentos superficiais e nenhum tipo de especialização”, diz Mavichian. Como a economia vai mal, há uma tendência maior de permanecer no emprego atual. No entanto, o jovem se transforma em insatisfeito crônico, perde motivação e acaba desperdiçando oportunidades de desenvolvimento da mesma maneira.

A crise pode ter algum efeito didático nesse sentido, diz Ferraz. “Alguns já começaram a cair na real e perceberam que não dá para fazer o que se gosta logo de cara”, explica. Para ele, um profissional considerado feliz e bem-sucedido ocupa 2/3 do seu tempo no trabalho com atividades que lhe dão prazer. Tarefas desagradáveis, enfadonhas e irritantes ocuparão o 1/3 restante — não dá para zerar essa parte. Até chegar a esse ponto, porém, é preciso “esquentar a cadeira” e aceitar que nem sempre a rotina será agradável. Quer dizer que é preciso se resignar, mesmo sendo infeliz no trabalho? De jeito nenhum, diz Ferraz. O segredo está em alterar a sua percepção das dificuldades e passar a ver a “tarefa chata” como etapa em um processo de longo prazo que culminará com a sua felicidade.

A própria ideia de felicidade, aliás, precisa ser revista na opinião do consultor. “O jovem está muito acostumado a ver falsas representações de felicidade nas redes sociais, e acaba fazendo comparações que o deixam muito insatisfeito”, explica. “Ele acredita erroneamente que não gosta do trabalho, mas os outros sim, e que portanto ainda não encontrou o que ama”. Ocorre que o contentamento com a profissão não depende de “acertar um alvo”, mas sim de fazer descobertas sobre as suas próprias fontes de prazer no trabalho, de forma lenta e paciente.

Para Mavichian, não há nada de errado em experimentar, mudar de ideia ou perseguir áreas de atuação que tenham a ver com os seus interesses. O movimento é bem-vindo; só é preciso cuidar do ritmo. “Permaneça no emprego no mínimo por 12 meses, antes de experimentar o próximo”, aconselha. “E lembre-se que, em algum momento, você vai precisar escolher uma área e se dedicar realmente a ela”.



(Fonte: Exame)

Governo Federal anuncia o lançamento do app "Carteira de Trabalho Digital"

Agora é muito mais fácil resolver questões relacionadas à documentação empregatícia. O Ministério do Trabalho anunciou no início desta semana o lançamento da "Carteira de Trabalho Digital", entre outros serviços.

O projeto se trata de um aplicativo criado para consultas de dados e informações contratuais antigas e em vigência, e para solicitações de primeira ou segunda vias da carteira de trabalho impressa. A versão digital não anula o documento físico.

O Governo Federal ainda anunciou que já é possível entrar com o pedido de seguro-desemprego pelo Emprega Brasil, assim que os documentos necessários forem recebidos pela empresa trabalhada. No site, o trabalhador dá a entrada na solicitação, agilizando o processo e evitando filas, mas o comparecimento a um posto responsável pelos pedidos continua obrigatório. Ainda de acordo com a nota no governo, o trabalhador poderá encontrar vagas de emprego e agendar entrevistas pelo aplicativo Sine Fácil, além de acompanhar o andamento do pedido de seguro-desemprego.

Acessando a Carteira de Trabalho Digital

O aplicativo já está disponível para Android e iOS, bastando procurar por "CTPS Digital". Para usar, será preciso criar uma senha de acesso, caso o trabalhador ainda não tenha cadastro no Sine Fácil.

As informações a serem preenchidas são nome, data de nascimento, nome da mãe, estado de nascimento e número do CPF. Tenha a carteira de trabalho física em mãos para verificar informações sobre o seu histórico no mercado de trabalho.


(Fonte: Folha)

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Por que escolher um curso profissionalizante?

Os cursos profissionalizantes podem ajudar muito na colocação dos jovens no mercado de trabalho, mesmo não tendo experiência


Hoje em dia, o mercado de trabalho está concorrido, ainda mais em tempos de crise. Isso afeta principalmente os jovens, por isso, buscar maneiras de se destacar dos demais candidatos deve ser considerada. As vagas de empregos, além de estarem cada vez menores, demandam mais qualificações do candidato. Devido a isso, a concorrência aumenta e conseguir um emprego pode se tornar uma tarefa difícil. As empresas procuram por funcionários qualificados, portanto, procurar por cursos profissionalizantes, tecnólogos ou técnicos é essencial.

Dentro deste texto, podemos encontrar as mais diversas variedades de escolhas de áreas e segmentos de atuação. Portanto, sempre é importante o aluno procurar por algum curso profissionalizante que realmente goste.

Isso ocorre porque os cursos profissionalizantes atuam num sistema de ensino diferenciado das escolas comuns e dos cursos superiores. Nessas instituições, os alunos não aprendem apenas na teoria a se qualificar para determinada área de trabalho, mas, também, aprende na prática a exercer a profissão.

Portanto, veja agora o que separamos para todos os interessados em se qualificar através de cursos profissionalizantes.

A importância de um curso profissionalizante na vida de um jovem


Cursos profissionalizantes tem a capacidade de transformar toda a vida de um jovem. Isso porque a maioria das escolas técnicas aceitam jovens menores de idade para estudar uma profissão. Os benefícios de se buscar uma profissão numa dessas instituições são muitas. Dentre elas, podemos destacar as seguintes:

  • Aprender uma profissão;
  • Ganhar experiência;
  • Ingressar no mercado de trabalho;
  • Conseguir emprego mais facilmente.
  • Esses benefícios podem ser alcançados pelos jovens formados ou até mesmo cursando uma escola técnica. Além de melhorar o currículo, os cursos profissionalizantes também podem proporcionar um trabalho durante o curso (através de programas de Trainer, Estágios ou Aprendiz) e após o término.

Muitas escolas que oferecem cursos profissionalizantes trabalham com uma rede de contatos, por isso, muitos alunos podem sair de lá com um emprego garantido. O importante é sempre optar por algum ramo que tenha interesse, onde possa seguir carreira futuramente. Mas, mesmo que tenha outros propósitos na vida, cursar uma faculdade num determinado curso, vale a pena investir antes num curso profissionalizante.

Muitas pessoas buscam estabilidade profissional através de cursos profissionalizantes, até poderem cursar outra profissão desejada e alcançar seus sonhos.




(Fonte: Canal do Ensino)

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Você está na profissão certa? Faça o teste e descubra




Qual tipo de profissão combina com você?

A decisão sobre em qual profissão ingressar pode ser muito natural para algumas pessoas, sendo tomada logo na juventude, baseada em hobbies, vocações e aptidões. Já para outros, decidir a carreira certa pode ser um pouco mais complicado e, algumas vezes, causa de estresse e insegurança.

Segundo a psicóloga Jaqueline Figueiredo Ferreira, o que determina o sucesso profissional é se a pessoa escolheu sua carreira de acordo com seus talentos.

O problema é que muitas pessoas se sentem descontentes com a profissão escolhida, mas temem ir em busca de novos desafios profissionais. Será que você realmente escolheu a profissão certa?

Faça o teste e descubra!


(Fonte: Catraca Livre)

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Como perder o medo de falar em público em 6 dicas


Resultado de imagem para falar em publico

Falar em público é um fantasma na vida de muitas pessoas, principalmente se isso não faz parte da profissão que você escolheu e, por algum motivo, você precisa fazer uma apresentação, como apresentar os resultados da sua empresa em uma reunião, comunicar alguma coisa na frente da turma da faculdade (ou apresentar um trabalho), ou defender seu trabalho de conclusão de curso, o famoso TCC, na frente da banca examinadora, por exemplo. 
Seja o motivo que for, existem algumas dicas que podem te ajudar a perder o medo de falar em público:

1. Esqueça as situações anteriores
Muitas vezes o medo de falar em público começa depois de uma experiência traumática anterior, que pode ter acontecido com você ou com alguém que você conhece, e o medo de isso acontecer de novo pode lhe assustar e até mesmo paralisar. Tente pensar que você já não é mais aquela pessoa, que o público não é o mesmo, e que dessa vez as coisas vão ser diferentes.

2. Não se preocupe tanto com a sua aparência
Sabemos que a aparência é importante, principalmente se você precisa passar uma imagem segura ou de credibilidade, maturidade e profissionalismo, como numa palestra, por exemplo, mas depois que escolher a melhor roupa para a situação, não fique pensando que as pessoas ficarão prestando atenção em alguma característica física sua. Concentre-se em passar um conteúdo de qualidade e as pessoas vão se concentrar nele também.

3. Evite pensar coisas ruins
É comum a gente catastrofizar as coisas, principalmente em momentos de ansiedade. E se o microfone falhar? E se eu ficar vermelha? E se eu gaguejar? E se eu esquecer o que eu tenho que falar? E se alguém fizer uma pergunta que eu não souber responder? Realmente todas essas coisas podem acontecer, mas além de ser uma coisa comum de acontecer com qualquer um (com o presidente fazendo um pronunciamento em rede nacional, com um palestrante famoso, com um músico no meio do show, etc.), também existe a possibilidade de nada de ruim acontecer, então se agarre a ela e foque em fazer o melhor que você puder.

4. Tenha bom humor
Você evitou pensar coisas ruins, testou os equipamentos antes da apresentação, estava com o texto ensaiadinho e alguma coisa deu errado. O que fazer? Sorrir, pedir desculpas e dizer que essas coisas acontecem, porque essas coisas realmente acontecem, e não só com você, mas com todo mundo, e eles sabem disso e vão entender. Brinque com a situação e as pessoas vão rir com você ao invés de rirem de você.

5. Vença a ansiedade
Se sentir ansiosa antes de momentos importantes é normal, mas você pode evitar alguns sintomas ao tentar dormir bem na noite anterior, evitar bebidas estimulantes, como refrigerantes, cafés e bebidas alcoólicas, e fazer um exercício simples de respiração: Inspire lentamente pelo nariz, contando até cinco, e expire, também lentamente, pela boca, contando até cinco, repetindo isso algumas vezes.

6. Trabalhe a sua autoconfiança
Quando você confia em você, você vai lá e faz o seu melhor, sem medo da reprovação alheia. Você simplesmente sabe que está fazendo o melhor que pode e que vai sair tudo bem. Parece simples, e pode ser. Olhe para você e foque nas coisas boas que você tem e nas suas qualidades. Confiante você perde a vergonha e sem vergonha não existe medo.

Aplicando essas dicas você com certeza vai perder o medo de falar em público. Boa sorte!


(Fonte: http://superela.com)

terça-feira, 7 de novembro de 2017

10 erros comuns na alimentação dos pets


Saiba alguns erros para não cometer na alimentação dos cães
Saiba o que é importante e o que deve ser abolido na hora de comer

Muitos cães e gatos têm problemas para comer, rejeitam a ração e só querem a comida dos humanos. Se isso costuma acontecer é porque alguns hábitos do próprio tutor podem alterar e influenciar a alimentação do pet. A saúde do animal pode, inclusive, ser prejudicada por não comer muito bem. 

Para que alguns erros sejam evitados na hora da alimentação do animal de estimação é importante seguir alguns passos essenciais:

Comedouro sempre cheio
A obesidade entre cães e gatos é um assunto sério e, por mais que eles comam apenas ração, não é indicado manter o potinho sempre cheio. Se a quantidade de alimento for exagerada, eles tendem a engordar muito. 

Leite X saúde
Embora leite faça parte da alimentação de mamíferos filhotes, para os adultos esse alimento pode ser indigesto. Há possibilidade até de causar flatulência, diarreia e vômito nos pets. 

Alimentos extras
Esse tipo de comida, além de gerar um desequilíbrio na alimentação do pet, também pode levar à obesidade. E o pior: o animal perde o apetite para comer a ração, quando recebe petiscos demais.

Comida caseira + ração
Esse é um dos piores erros, já que afeta o benefício da ração de oferecer uma alimentação completa e balanceada. Além disso, esse combo têm um excesso de calorias que pode prejudicar o animal.

Mix de rações
Misturar diferentes rações pode anular os benefícios oferecidos pelas dietas industrializadas, que advêm justamente do fato de o alimento ser completo.

Trocar de ração porque o animal “enjoou”
Um ponto a destacar é que sempre toda vez que o tutor troca o alimento do pet, o "efeito novidade" faz com que ele queira consumir mais do que de fato precisaria. Quanto maior a variedade oferecida aos cães e gatos, especialmente de petiscos e extras, mais o animal selecionará os alimentos. 

Comida igual a dos tutores
Cachorros e gatos são diferentes dos humanos e, por isso, têm necessidades fisiológicas específicas. Para que a dieta caseira seja adotada de forma correta o ideal é ir a um veterinário que indique a forma adequada de preparar uma refeição com nutrientes equilibrados, de acordo com seu pet.

Usar linhaça na dieta do animal
Quer que seu pet tenha uma alimentação saudável ou que emagreça? Inserir a linhaça, muito usada em dietas saudáveis para seres humanos, na alimentação dos animais pode ser um erro. Cachorros e felinos não absorvem o ômega 3 de origem vegetal, presente nesse alimento. 

Suplementos alimentares
Rações de qualidade já têm os nutrientes suficientes e não requerem suplementação. Por isso não dê suplementos ao seu pet. Se achar que ele precisa disso, procure recomendação do veterinário.

Pets agitados
A agitação dos animais pode ser um impasse na hora da alimentação. Evite oferecer comida enquanto eles estão brincando ou correndo, já que têm outros interesses nesse momento.

Para entender mais sobre a saúde dos pets, cadastre-se aqui!


(Fonte: Canal do Pet)